Viajando sozinha: como ir de uma cidade para outra na Europa

Contei no post anterior porque decidi viajar sozinha para a Europa. Com as passagens compradas e roteiro definido, havia apenas uma coisa que me deixava apavorada: como vou me locomover sozinha em outro país? Isso estava tirando o meu sono. Então vamos lá, primeiro eu tinha que definir qual meio de transporte usar para ir de uma cidade para outra. Meu critério foi o preço. Economizar na locomoção para poder gastar com coisas que achava mais importante, como comer, beber e visitar lugares históricos.

Foi aí que uma amiga que já havia visitado a Itália me apresentou ao site Rome2Rio. No site você coloca o destino de onde está e para onde quer ir e ele te dá o tempo de viagem e preço de cada meio de condução: carro, ônibus, metrô e trem. Aí ficou fácil. Não sou muito boa em Geografia (confesso), então dei uma olhadinha no mapa e defini a ordem: Milão -> Veneza -> Roma -> Londres -> Milão.

De Milão para Veneza, eu optei por trem. Comprei a passagem dia 30 de outubro (ia viajar dia 7 de novembro) por 19 euros pelo site da Trenitalia. Sai da estação Milano Centrale e cheguei na estação Venezia S. Lucia. O tempo de viagem foi 2h35.  Mas não aconselho deixar para comprar o bilhete muito em cima da hora, como eu fiz. Quanto antes comprar, mais barato fica.

de Veneza para Roma, o Rome2Rio me indicou que era mais barato ir de ônibus, então comprei o ticket pelo FlixBus. Mas confesso que me arrependi. Porque para sair de Veneza, peguei um trem na estação Venezia S. Lucia (comprei a passagem lá na hora, pois é apenas uma estação depois) e desci na estação Venice Mestre. Lá eu tive que andar sozinha pela rua até chegar ao ponto de ônibus, que ficava na rua, sem nenhuma proteção ou aviso de que se tratava de uma estação de ônibus.

Nesse momento me senti vulnerável e com medo, pois a rua estava escura, já eram quase 9h da noite. Para minha sorte, um casal de brasileiros chegou e esperou o ônibus comigo. Tem brasileiro por todo canto, e isso é bom demais! Voltando à viagem, paguei 12,90 euros até Bologna. Lá esperei (com uma temperatura de 6ºC por cerca de uma hora na rodoviária) e depois embarquei no ônibus para Roma. Nesse último paguei 11,90 euros. Comprei as passagens ainda no Brasil, no dia 31 de outubro. Foram aproximadamente oito horas de viagem.

De Roma para Londres, mais uma vez segui o conselho do Rome2Rio e fui de avião. Lembrando que não usei esse site para comprar nada, apenas para pesquisar o jeito mais barato de ir. Porém, nem sempre o mais barato é o mais rápido, portanto depende muito do seu orçamento. Para comprar as passagens de avião usei o Skycanner, que me indicou a Ryanair, companhia aérea da Europa de baixo custo. Ou seja, o voo foi tudo, menos confortável. Assentos apertados, música italiana no último volume e comissário de bordo vendendo coisas, como se tivesse num camelô. Mas, foi barato e rápido, 1h45.

De Roma para Londres, saindo do Aeroporto Ciampino (SAI) para Stansted (STN) paguei apenas 34,33 euros. Mais 17 euros pela minha bagagem, que assim como no Brasil atualmente, lá a gente paga para despachar as malas. A volta foi de Stansted (STN), em Londres, para Malpensa T1 (MPX), em Milão. Paguei apenas 44,15 euros mais os 17 euros da bagagem. Tempo de viagem 2h55.

Lá em Milão, eu nem saí do aeroporto. Fui para o andar de baixo, onde tem a estação de metrô e peguei um trem para Varese, onde visitaria um casal de amigos. Paguei 7,30 euros e a viagem demorou quase uma hora.

Enfim, só faltou andar de navio e locar um carro. Mas esses vão ficar para a próxima viagem. Ah, tem o trem bala também, que se locomove na velocidade da luz de um país da Europa para outro, que também ficou para a próxima.

Não vou dizer que foi fácil me locomover lá. Tive que prestar bastante atenção, pedir informações e uma dica essencial: leve todos os bilhetes impressos. Meu inglês não é o melhor do mundo, mas consigo me virar e isso me ajudou bastante. A maioria das pessoas arranha no idioma e é bastante solícita a ajudar. Não passei por nenhum perrengue com transporte. Exceto em Roma, que acordei atrasada, quase perdi o voo e ainda esqueci uma sacola cheia de presentes no meu hostel. :/ Mas essa é uma história para ooooutro post.

*Ludmilla Morais tem 25 anos, é jornalista, goiana, capricorniana e muito curiosa. Viajar faz parte do que ela é. Recentemente descobriu uma forma ousada de se aventurar: sozinha.

Compartilhe este artigo!

Comentários

  1. DIOGO DINIZ GARCIA GOMES
    28 jul 2017

    ah…. Legal demais!!!! Dicas anotadas Lud!!!

  2. Darmélia Barbosa
    28 jul 2017

    Ótimas dicas da Ludmilla, além do mais texto leve, gostoso de ler. Viajei junto c ela e me imaginei nessa aventura q ela tão bem sabe repassar. Esperando o próximo post, a próxima viagem. Parabéns à Ludmilla e a equipe do blog por incluí-la na lista de profissionais. Sucesso! Muito sucesso!

  3. Pingback: A dor e a delícia de se hospedar em albergues pela Europa | Across the Universe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *