22 dicas para quem vai ao Jalapão por conta própria

Para quem nos acompanha no Instagram (você é um deles? Não? Segue a gente!), sabe que passamos o carnaval no Jalapão. A nossa Jalapa Folia foi fantástica e voltamos maravilhados com a região.

Enquanto estamos preparando posts detalhados sobre a viagem, editamos este resumão com 22 dicas para quem vai ao Jalapão como nós, por conta própria.

Se liga nas dicas:

1 – A maioria das atrações está fora do Parque Estadual do Jalapão – O Parque tem 34 mil quilômetros e envolve oito municípios do Tocantins. Mas a minoria das atrações está realmente dentro do parque. Há muitas cachoeiras e fervedouros que ficam em áreas particulares e são exploradas por seu proprietários com a cobrança de taxas de entrada que variam entre R$ 10 e R$ 20.

 Jalapão - Cachoeira do Soninho

2 – Vá em uma 4×4 – Alguns períodos são de estradas mais tranquilas, mas evite transtornos. Dirigir no Jalapão com um carro pequeno é para quem tem experiência com dunas e estradas muito acidentadas. Você pode alugar uma ou contratar um guia independente que já possua um.

Jalapão - Vá de 4x4

3 – Reserve o carro com antecedência – Se for alugar o veículo, faça isso com muuuita antecedência em Palmas, caso seu plano seja ir de avião até a capital. Fomos no Carnaval e algumas locadoras já tinham esgotadas as reservas em novembro. Você pode até achar de última hora, mas as condições não serão nada agradáveis. No final, alugamos a 4X4 em Brasília e fomos de carro direto para Ponte Alta.

Jalapão - Locação de Veículos

4 – Reserve a hospedagem com antecedência – São poucas as opções de hotéis confortáveis. As cidades são pequenas e a rede hoteleira também. Você fará longos roteiros para as atrações turísticas e então nada melhor que um hotel com o mínimo de estrutura para seu descanso. Planeje bem a hospedagem e toda a viagem.

Jalapão - Hospedagem de quem não se planejou com antecedência
 
5 – Fique pelo menos quatro dias no Jalapão – Só conhecemos atrativos de duas cidades, mas são três as principais cidades com atrações do Jalapão. Então o melhor é começar o roteiro em Ponte Alta, passar por Mateiros e seguir para São Félix e depois retornar a Palmas. Para as três cidades recomendaria destinar cinco dias. Estamos falando em números mínimos. O certo é que não vale a pena ficar apenas três dias.

Jalapão - Serra do Espírito Santo

6 – Se prepare para as distâncias – O mais difícil no Jalapão não são as trilhas e passeios. Esses são quase todos de nível fácil. O problema são os deslocamentos. As estradas são todas, absolutamente todas, de terra ainda. No período da seca, estão “boas”, mas em alguns períodos são muito ruins. Entre Ponte Alta e Mateiros são 150 kms e a viagem dura cerca de 3h30. Quando o percurso é feito com as paradas nos atrativos, a viagem parece mais tranquila. Se for em caso de retorno direto de uma cidade pra outra, parece uma eternidade.

Jalapão - Distâncias

7 – Não é necessário ter bom preparo físico – Como os carros chegam perto das atrações, você não vai precisar se esforçar tanto. Fomos em uma turma de “semi-sedentários em processo de conscientização” e deu tudo certo.

Jalapão - Chegando de carro próximo a Pedra Furada

8 – Você não vai passar horas derretendo no sol – Enquanto não está no conforto do seu carro com ar condicionado, estará em algum atrativo com muita água para se refrescar. Não há longas trilhas embaixo de sol.

Jalapão - Um tchibum para refrescar

9 – Não vá sem guia – Não que a gente desconfie da sua capacidade. É que você pode perder atrativos muito bacanas se não tiver alguém que conheça bem a região, que é mal sinalizada. Vale a pena o investimento para ter alguém que vá te alertar principalmente para os horários ideais. Contratamos, e recomendamos, o guia Oziel Mascarenhas. Foi super prestativo desde a organização da nossa viagem. E o melhor, você também pode contratá-lo juntamente com o carro 4×4. Nessa, de quebra você resolve 3 coisas: um motorista com experiência off road, um guia que conhece muito bem a região e um 4×4, sem ter que preocupar com em locar um. Anota o telefone dele aí: (63 – 98424-5822). Ele também atende pelo WhatsApp.

Jalapão - Contrate um guia

10 – Vá sempre com alimentação preparada para o dia todo – Alguns atrativos têm restaurantes que servem refeições, mas na maioria das vezes você vai rodar muitos quilômetros sem avistar ao menos uma birosca pra comprar uma água.

11 – As estruturas turísticas ainda são precárias na região – Poucas pessoas se ligaram para as possibilidades de fazer do Jalapão um grande centro turístico. A dificuldade de acesso não é o único inibidor do turismo na região.

Jalapão - Dificuldades de acesso

12 – Leve repelente – Os nativos vão te dizer que não tem mosquito, mas tem simmmm. Abuse do repelente na bagagem.

13 – O capim dourado é da região do Jalapão – Você sempre vai encontrar produtos à venda. São bem bonitos e muito bem feitos. Tem comunidades alí que vivem apenas das peças feitas com o capim.

Jalapão - Mumbuca - Capim Dourado

14 – As águas são cristalinas e as cachoeiras lindas – A temperatura é a ideal. Não é gelada.

Jalapão - Cachoeira da Formiga

15 – Aproveite os fervedouros – Os fervedouros, um dos cartões postais do Jalapão, são nascentes onde você não vai afundar. Alguns mais fortes e outras nem tanto, mas realmente não afunda. Parece raso, mas quando você entra, a areia sobe em volta do seu corpo. A água é mais morninha e a experiência é muito legal.

Jalapão - Fervedouros

16 – As Dunas do Jalapão são sensacionais – A vista é linda e o por do sol lá de cima rende imagens de tirar o fôlego. A importância do guia nesse passeio é ainda maior por conta do horário certo de entrada no parque e do show do fim do dia.

Dunas do Jalapão

17 – Os preços são OK no Jalapão – Não consideramos nada muito caro. Incluindo todas as despesas, cada pessoa gastou R$ 1.600 em toda a nossa viagem, que começou na sexta, em Brasília, e terminou na madrugada de quarta. PS: ficamos em um hotel bem ruim e barato em Ponte Alta (R$ 60 noite/pessoa) e em um acampamento (com as barracas já montadas por eles) que custou R$ 50 por noite/pessoa em Mateiros.

Jalapão - Preços

18 – Leve dinheiro – Poucos são os locais que aceitam cartão nas cidades do Jalapão.

19 – Não confie na segurança – Mesmo sendo cidades tão pequenas e mesmo com a garantia dos nativos de que “é um lugar muito tranquilo”. Sempre vai ter alguém de olho em você e o desagradável pode ocorrer.

Dunas do Jalapão

20 – Celular dificilmente terá sinal – O celular vai pegar, às vezes, dentro das cidades base da sua aventura, funcionando em roaming de voz com alguma operadora que não seja a sua. Em Ponte Alta e Mateiros a Claro é a melhor pedida, funcionando inclusive com 3G.

21 – Esteja ciente e preparado – Só vá para o Jalapão se você realmente gosta do turismo de aventura, do ecoturismo e se não sofre na ausência de conforto.

Jalapão - Turismo de Aventura

22 – Fiquem atentos ao Across the Universe 😉 – Nos próximos posts vamos contar em detalhes nossa aventura ao Jalapão.


Siga o Across the Universe no Twitter: @acrosstheblog

no Instagram: @acrosstheblog

e curta a nossa fanpage no Facebook: facebook.com/acrosstheblog

 

21 Comentários para "22 dicas para quem vai ao Jalapão por conta própria"

  1. Adorei as dicas! Parabéns!!! Tenho pensando muito em ir para o Jalapão e as dicas foram super úteis!

    • Roberta Luiza disse:

      Lulu, vale muito a pena conhecer o Jalapão. Fique ligada que nos próximos posts vamos detalhar a viagem.
      Obrigada pela visita.

  2. João Fabricio disse:

    Parabéns! Estou querendo ir ao Jalapão em Agosto! Aguardando o post com os detalhes!

    • Roberta Luiza disse:

      Olá, João. Você vai se encantar pelo Jalapão. Continue nos acompanhando por aqui. Obrigada pela visita.

  3. Frank disse:

    Olá Roberta,
    Fantástico o seu relato.
    Para um casal com dois filhos (6 e 10 anos) quais as suas observações?
    O Jalapão está na minha lista e temos alguma experiencia com trilhas.
    Vale a pena ir em junho/julho por exemplo? ou dezembro/janeiro é melhor?
    No aguardo dos novos posts e das dicas.
    Grato

    • Roberta Luiza disse:

      Frank, que bom que gostou. Espero que o relato possa ajudar.

      As trilhas são bem fáceis. Exceto a do Morro do Espirito Santo, que nem fizemos. Mas como vocês têm mais experiência com trilhas, podem animar porque a vista deve ser sensacional.

      Em junho e julho é melhor por conta do tempo seco. A vegetação não estará tão bonita quanto na época de chuva (outubro a abril), mas terá um por do sol maravilhoso e águas muito limpas.
      Mas é bom considerar que chove pouco no Jalapão. Mesmo na época considerada “de chuva” não é como em outras regiões.

      Como estarão com crianças, é melhor o período de seca garantida para evitar transtornos, principalmente com deslocamentos. As estradas já são normalmente muito ruins.

      Outros pontos considerações sobre as crianças na viagem:
      – Reserve tudo bem antes ou vocês correm o risco de improvisos na hospedagem, o que não será legal.
      – Sempre leve a alimentação. Pouquíssimos são os locais com algum restaurante ou lanchonete nas margens das estradas.
      – os deslocamentos são grandes mesmo e bem cansativos. Pense junto com o guia em roteiros que não sacrifiquem tanto os pequenos.
      – Lembre-se que o guia vai com vocês o tempo todo. Então é preciso pensar na questão do espaço dentro do carro.
      – repelente, repelente, repelente.. rs
      – No mais, tenho certeza que as crianças vão se divertir muito. Há muitas opções bem legais para elas.
      Continue nos acompanhando que em breve teremos novos relatos sobre esse destino.
      Grande abraço.

  4. Lilian CYSNE disse:

    Olá, há tempos pretendemos ir. Adorei as dicas e vou seguirei os próximos posts. Qual a melhor época? O guia vai no carro com a gente durante todos os dias?

    • Roberta Luiza disse:

      Oi, Lilian. Obrigada pela visita. Teremos novos relatos ainda esta semana.
      Sobre suas dúvidas:
      – Sim. O guia vai com os turistas o tempo todo dentro do carro. Então é bom pensar na questão do espaço. Nós éramos quatro adultos turistas e mais o guia. Cinco pessoas em uma caminhonete. Foi tranquilo.
      – Sobre a melhor época, no Jalapão chove pouco, mas ocorre geralmente entre o fim de outubro e fim de abril. Então na seca facilita os deslocamentos nas estradas, que já são normalmente ruins. Os guias afirmam que entre abril e outubro é o ideal. Mas nós, por exemplo, fomos em fevereiro e não teve chuva. Foi tudo muito tranquilo. Apenas observe que no fim da seca (agosto, setembro e outubro) ocorrem muitas queimadas e então a paisagem fica mais feia, mas as águas sempre limpinhas.
      Qualquer dúvida, estamos à disposição.
      Grande abraço!

  5. Lylian disse:

    Post muito bem escrito, informativo e gostoso de ler. Você sabe qual é á época mais indicada para ir ao Jalapão?

    • Roberta Luiza disse:

      Lylian, muito obrigada. A ideia é ser o mais claro possível pra vocês leitores.
      Sobre a melhor época, vou reforçar aqui:
      No Jalapão chove pouco, mas ocorre geralmente entre o fim de outubro e início de abril.
      Então na seca (entre o fim de abril e meados de outubro) facilita os deslocamentos nas estradas, que já são normalmente ruins.
      Os guias afirmam que entre abril e outubro é o ideal. Mas nós, por exemplo, fomos em fevereiro e não teve chuva. Foi tudo muito tranquilo. Apenas observe que no fim da seca (agosto, setembro e outubro) ocorrem muitas queimadas e então a paisagem fica mais feia, mas as águas sempre limpinhas.
      Particularmente, acredito que o Jalapão vale muito a pena em qualquer época do ano.
      Qualquer dúvida, estamos à disposição.
      Grande abraço!

  6. Bruna disse:

    Ótimas dicas! Parabéns pelo post!

  7. einar junior disse:

    gostaria de ficar em contato com voces e suas aventuras ao jalapão , obrigado !
    desejo visitar o jalapão em breve .moro em santos ,sp .

  8. Fernanda Voietta disse:

    Olá Roberta, muito obrigada por compartilhar sua experiência e dar as dicas pra ir ao Jalapão. Estou organizando para fazer esse mesmo roteiro seu em Janeiro/2017. Tentei ligar para o guia Oziel que você recomendou, mas o telefone de não existe, você teria algum outro contato de guia?
    Outra coisa, estou levando barraca de camping, é fácil encontrar camping pelo caminho?

    • Roberta Luiza disse:

      Olá, Fernanda. Que bom que gostou das dicas.
      Será, sem dúvida, uma viagem maravilhosa.
      O número do Oziel é o mesmo. Apenas agora tem que acrescentar aquele 9. Será que é isso? 63 – 98424-5822.
      Tem vários campings sim. E ele pode te ajudar a organizar um roteiro bem coordenado para chegar a esses locais.
      No mais, boa viagem!

  9. Rodrigo disse:

    Boa tarde! Excelente post sobre o jalapão. Estou planejando ir em janeiro/2017 em uma Pajero full 4×4 de 7 lugares, como será somente minha esposa e eu estamos planejando dormir no carro mesmo, pois ele rebate os bancos, cabe um colchão dentro!!! O guia fica 24hs com a gente, inclusive durante a noite? Todas as despesas dele ficam por minha conta ou está incluso nos serviços? Qual o valor da diária? Muitas perguntas né kkkk…Ja estive no jalapão em 2004 de forma independente e sem veiculo 4×4, mas não me recordo muito bem de todas as atrações. Muuito obrigado!

    • Roberta Luiza disse:

      Rodrigo, obrigada pela visita aqui no blog.
      Vamos lá…
      Nós pagamos 130 por dia.
      No primeiro dia, nós voltamos para cidade e ele dormiu em casa
      Nas outras noites, ele tinha barraca e dormiu no mesmo acampamento que nós.
      Os guias não pagam por alimentação nos pontos turísticos.
      E nós levamos lanches para os passeios.
      O seu caso é bem específico por conta de dormir no carro, mas acredito que ele terá uma solução.
      Com a 4×4, certamente a viagem será menos sofrida.
      Qualquer dúvida, entre em contato com o Oziel. Vai te orientar direitinho.
      Abraço e boa viagem!

    • Marcelo Lemos disse:

      Rodrigo, estou com inveja de você viajando nessa Pajero Full para o Jalapão! 😉

  10. Carlos disse:

    Excelente matéria!
    Uma pergunta: com relação ao veículo 4×4, uma Duster daria conta?

Deixe seu Comentário

Não deixe de ler a nossa Política de Comentários.**






* Campos de preenchimento obrigatório