Buenos Aires: Do centro ao aeroporto, compras, câmbio e dicas gerais

Já falei demais sobre essa viagem a Buenos Aires. Hoje faz um mês da minha volta. Tanto tempo passou que já estou até programando a próxima viagem. Para finalizar, falarei sobre o retorno ao Brasil, os trâmites burocráticos no aeroporto e as últimas dicas com informações úteis para quem pretende ir a Buenos Aires um dia.

Compras

Na sexta-feira, dia 4 eu acordei com a idéia de sair pra fazer algumas comprinhas na Calle Florida (a uma quadra do albergue), já que eu teria só a manhã disponível, pois meio dia eu tinha que correr pro Aeroporto. Sai da forma que eu sempre saia, de bermuda, tenis e camiseta. E acreditam que eu tive que voltar pra trocar de roupa pois o tempo estava frio? Caramba! Meu último dia em Buenos Aires o tempo resolve mudar, saindo dos 40 graus para pouco menos de 20 graus. Aquela garoa fria, que lembrou muito o tempo de São Paulo.

Calle Florida, rua fechada repleta de lojas por todos os lados. Além de artistas exibindo sua arte.

Fui as compras, já que o dinheiro que eu havia alocado pra viagem ainda estava sobrando. Eu regulei tanto a grana que no final da viagem ainda sobrava uma quantia considerável. Mas antes passei na casa de câmbio que no dia anterior eu havia trocado dinheiro. Fui buscar meu passaporte que eu tinha esquecido. Acreditam? Ainda bem que esqueci em um local de confiança, senão a essa altura eu já estaria sendo procurado pelo Interpol.

A minha intenção era comprar tênis, que eram relativamente baratos. Mas acabei não comprando nenhum, e entre os souvenirs a única coisa que merece algum destaque é a camisa do Boca Juniors.  Eu havia prometido comprar uma camisa azul celeste da seleção argentina, mas pensei bem e vi que seria mó queimação andar com ela aqui no Brasil. Dai me sobraram duas opções, comprar a do River ou a do Boca. A do River é vermelha, preto e branco e ainda com patrocínio da Petrobrás. Fala sério, né? Isso é praticamente uma camisa do Flamengo. Optei pela do Boca que é beeeem mais simpática, vejam só:

E ainda posso usar nos dias em que Flamengo ou Corinthians jogar com o Boca 😉

E a loja fazia parte de um lance chamado Tax Free Refunds que me devolvia o referente ao ICMS na Aduana do Aeroporto. O resultado disso é que paguei AR$ 145 e ainda recebi AR$ 15 de volta. Valor este que somei para gastar ainda mais no Duty Free, que é um capítulo a parte e vou falar logo mais.

Do centro ao Aeroporto de Ezeiza

Compras feitas, voltei pro albergue e fiz o check-out. Solicitei a moça que ligasse no Manuel Tienda Leon pedindo que fosse me buscar pra levar ao aeroporto. Essa empresa é de transportes e vendem translados dos aeroportos de Buenos Aires até o seu Hotel ou vice-versa. O serviço é muito bom e confiável. Por AR$ 35 eles te levam até o Aeroporto de Ezeiza. No dia que cheguei em Buenos Aires eu procurei o stand deles no aeroporto, comprei o bilhete e o ônibus foi até a base deles no Retiro e de lá seguimos de carro comum mesmo até o albergue.

Taxas no Aeroporto

No aeroporto ao entrar na fila pro check-in, fui informado que depois de efetuá-lo eu deveria ir a um posto do governo argentino efetuar o pagamento de uma taxa de US$ 18. Isso mesmo! Mesmo pagando o equivalente a R$ 90 de taxas de embarque já inclusos no bilhete de volta, ainda tive que desembolsar essa bagatela. O engraçado é que eles cobram só na volta, uma espécie de taxa pra você ir embora do país. Bizarro isso! Enfim, pra quem for a Buenos Aires, lembre de reservar US$ 18. Se bem que eles aceitam peso argentino, o próprio dólar e até mesmo cartões de crédito. Tudo pra não haver desculpas.

Ticket to ride!

Por incrível que pareça, o Aeroporto de Ezeiza foi o lugar que mais vi argentino. Principalmente no check-in da TAM. E foi nessa fila que descobri que eles se cumprimentam dando beijinhos no rosto um dos outros, tanto homens quanto mulheres. Uma cena não muito agradável de se ver, marmanjos se cumprimentando dando beijinho na cara barbada do outro. O que mostra a forte influência da cultura italiana na Argentina. Mas enfim, todos felizes e sorridentes pois iam passar o verão nas praias da região sul do Brasil. Como o voo de volta fazia uma escala em Porto Alegre, lá mesmo a cambada toda ficou.

O free shop

Bom, mas antes de embarcar, você é obrigado a passar pelo Duty Free. E que Duty Free! Eu quando vi tudo aquilo, os preços e a imensidão de coisas interessantes, parecia criança em fábrica de doce. Sai pegando tudo e colocando na cestinha, o tempo era curto e eu tinha que aproveitar. Mas depois bateu a voz da consciência que me sussurrou: “Calma Marcelo, a sua vida volta a rotina amanhã.. você vai chegar em casa e vai ter um monte de contas te esperando para pagar.. manera malandro!“. Na verdade essa voz da consciência foi muito bem treinada pelos meus pais.

Considerações finais

Finalizando, a viagem foi muito boa. Considero como pontos negativos o forte calor de Buenos Aires, o fato de eu ter viajado sozinho e o curto tempo que eu tinha disponível. De resto, tudo de bom!

Falei muito do meu guia que me ajudou bastante na viagem mas não disse o nome dele. O guia é este ai. Recomendo ele. Ele foi feito para todos os tipos de viajantes, desde mochileiros a turistas mais abastados. Te dá altas dicas dos albergues mais simples, até dos hotéis mais luxuosos. Além de sempre associar aos lugares e roteiros, informações históricas e culturais. Muito bem dividido e estruturado. Eu agarantio!

Rough Guide | Argentina

Câmbio

Quanto ao câmbio, recomendo comprarem dólares no Brasil e trocarem por pesos lá. Você perde menos dinheiro. Mas não deixe de levar alguns reais também, para comer naqueles restaurantes que eu mencionei que aceitam na cotação de 1 para 2. E procurem sempre casas de cambio seguras e distantes das muvucas de turistas. Na Calle Florida há várias delas, mas as melhores cotações que eu encontrei foi em uma mais distante, na San Martín 529, chamada Columbus. Foi nela que eu esqueci meu passaporte. 😛

Casa de Câmbio Columbus

Bom, acho que o assunto Buenos Aires encerra por aqui. Espero que meus relatos sirvam para alguma coisa.

Mas gostei dessa brincadeira e irei manter o blog daqui por diante. Já tenho até algumas pautas em mente para futuros posts. Isso sem contar que minha próxima viagem está beeem próxima! 😉

Pacotes All Inclusive - Com tudo incluso é muito mais gostoso!
Compartilhe este artigo!

Comentários

  1. Isso aqui ficou muito bom, hein? Um guia completo!! Gostei muito! Espero que continue firme com o proposito. E que venham as proximas viagens!

  2. Anonymous
    08 set 2008

    Obrigado pelo guia, eu e minha esposa embarcaremos dia 27/12 para Buenos Aires e pretendemos ir a Lujan(Zoo), suas dicas sao bastante interessantes e entusiastas!!! Obrigado

  3. Freddy Charlson
    14 abr 2009

    marcelo, seu sacana, você nem se tocou em me emprestar esse guia…

  4. Silmara Colombo
    29 dez 2011

    Buenos Aires é tudo de bom, não é? Adoro a Calle Florida (seu link está dando erro)! E meu marido também voltou com uma camisa do Boca Junior e outra na mala para presentear. Que 2012 venha repleto de viagens para você. Conte-ns tudo!

  5. Pingback: Buenos Aires: A turbulenta chegada | Across The Universe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *